Ciência
0

10 razões para os pousos na Lua serem uma farsa

A teoria de que o pouso na Lua foi armada pelo governo dos EUA para fazer valer a sua vitória na corrida espacial sobre a Rússia, é algo que tem crescido em popularidade com o passar do tempo. Enquetes recentes indicam que aproximadamente 20% dos americanos acreditam que os EUA nunca tenham desembarcado na Lua. […]

10 razões para os pousos na Lua serem uma farsa

A teoria de que o pouso na Lua foi armada pelo governo dos EUA para fazer valer a sua vitória na corrida espacial sobre a Rússia, é algo que tem crescido em popularidade com o passar do tempo.

Enquetes recentes indicam que aproximadamente 20% dos americanos acreditam que os EUA nunca tenham desembarcado na Lua. Após as missões Apollo terminarem na década de setenta, por que nunca voltamos? Somente durante o prazo de Richard Nixon que a humanidade pousou na Lua, e depois de Watergate a maioria das pessoas não iria questionar Tricky Dick por ter fingido para colocar a América em boa posição na Guerra Fria.

Nesta lista eu que apresentei algumas evidência propostas para sugerir que os pousos na Lua eram trotes. Tentei incluir explicações da NASA para cada entrada para fornecer uma perspectiva objetiva.

10 – A bandeira agitada

flag-waving-moon-landing_9803_600x450

Os teóricos da conspiração têm apontado que quando o primeiro pouso na Lua foi mostrado ao vivo na televisão, os telespectadores puderam ver claramente a bandeira americana que acena e vibra enquanto Neil Armstrong e Buzz Aldrin a fincavam. Fotos do pouso também parecem estar ondulando em brisa, como a imagem acima, que mostra claramente uma dobra na bandeira. O problema óbvio aqui é que não há ar na atmosfera da Lua, e, portanto, nenhum vento para causar a movimentação da.

Inúmeras explicações foram apresentadas para refutar esse fenômeno como algo incomum: A NASA afirmou que a bandeira foi armazenada em um tubo fino e o efeito ondulado foi causado por ter sido desfraldada antes de ser fincada. Outras explicações envolvem as ondulações causadas pela força de reação dos astronautas tocando o poste de alumínio, que é mostrado a tremer no vídeo.

9 – Ausência de cratera de impacto

picture1

A alegação é a seguinte: se realmente a NASA nos levou à Lua, haveria uma cratera de explosão debaixo do módulo lunar para marcar seu pouso. Em qualquer vídeo ou fotografia dos desembarques, nenhuma cratera é visível, quase como se o módulo tivesse sido simplesmente colocado lá. A superfície da Lua está coberta de poeira lunar, e mesmo isso não parece ter sido registrado em evidências fotográficas.

Muito parecida com a teoria da ondulação da bandeira, no entanto, a falta de uma cratera de impacto tem uma série de explicações possíveis. A NASA afirma que o módulo precisou de muito menos impulso nas condições de baixa gravidade comparado com o que teria na Terra. A superfície da Lua em si é sólida, então uma cratera de impacto provavelmente não seria viável de qualquer maneira – da mesma forma que um avião não deixa uma cratera quando toca baixo em uma pista de concreto.

8 – Múltiplas fontes de luz

MoonLightingDiscrepancy1

Na Lua só há uma fonte de luz forte: o Sol. Portanto, é justo sugerir que todas as sombras devem correr paralelas umas às outras. Mas este não foi o caso durante o pouso na Lua: vídeos e fotografias mostram claramente que sombras caem em diferentes direções. Os teóricos da conspiração sugerem que isso deve significar que múltiplas fontes de luz estão presentes, o que sugere que as fotos do pouso foram tiradas em um set de filmagem.

A NASA tentou culpar a paisagem desigual nas estranhas sombras, com colisões sutis e colinas sobre a superfície da Lua, causando discrepâncias. Esta explicação foi jogada para fora da janela por alguns teóricos, como poderiam colinas causarem diferenças angulares tão grandes? Na imagem acima a sombra do módulo lunar contradiz claramente que as pedras em primeiro plano em quase um ângulo de 45 graus.

7 – O cinturão de radiação de Van Allen

belt

A fim de alcançar a Lua, os astronautas tiveram que passar através do que é conhecido como o cinturão de radiação de Van Allen. O cinto é mantido no lugar pelo campo magnético da Terra e permanece eternamente no mesmo lugar. As missões Apollo à Lua marcaram as primeiras tentativas transportando vidas humanas através da correia. Teóricos da conspiração afirmam que os níveis absolutos de radiação poderiam ter cozinhado os astronautas a caminho da Lua, apesar das camadas de alumínio que revestem o interior e o exterior da nave.

A NASA combate este argumento, enfatizando o curto espaço de tempo que os astronautas levaram para atravessar o cinto – o que significa que eles receberam apenas pequenas doses de radiação.

6 – O objeto que nunca foi explicado

moon-stuff012

Depois que as fotografias dos pousos na Lua foram liberadas, os teóricos foram rápidos em perceber um objeto misterioso (mostrado acima) no reflexo do capacete de um astronauta da missão Apollo 12. O objeto parece estar pendurado por uma corda ou fio e não tem razão para estar lá, levando alguns a sugerir que é um holofote normalmente encontrados em estúdios de filmagem.

A semelhança é questionável, dada a má qualidade da fotografia, mas o mistério permanece como a razão pela qual algo está sendo suspenso no ar (ou melhor, falta de ar) na Lua. O módulo lunar em outras fotos parece não ter extensão a partir dele que corresponda à foto, assim o objeto ainda permanece totalmente inexplicável.

5 – Caminhadas em slow-motion e cabos escondidos

mqdefault

A fim de apoiar as reivindicações que os pousos na Lua foram filmadas em um estúdio, os teóricos da conspiração tinham que levar em conta as condições de baixa gravidade, que aparentemente foram imitadas pela NASA. Tem sido sugerido que, se você pegar filmagens do pouso na Lua e aumentar a velocidade do filme em x2.5, os astronautas parecem estar se movendo na gravidade da Terra. Quanto a impressionante altura do salto do astronauta, o que seria impossível de realizar na gravidade da Terra, cabos e fios escondidos têm sido sugeridos para possibilitar aos astronautas alguma altura extra. Em alguns contornos de screenshots podem ser vistos supostos cabos escondidos (a fotografia acima supostamente mostra um fio, embora seja extremamente vaga).

4 – Ausência de estrelas

a16_11446551

Um argumento convincente para o trote do pouso na Lua é a total falta de estrelas em qualquer uma das evidência fotográficas e/ou vídeos. Não há nuvens na Lua, por isso as estrelas são perpetuamente visíveis e significativamente mais brilhante do que como vemos através do filtro da atmosfera da Terra.

O argumento aqui é teria sido impossível para a NASA mapear a localização exata de todas as estrelas para o trote sem ressoar, e, portanto, deixou-as de fora – intencionalmente usando uma desculpa que a qualidade das fotografias as apaga (uma desculpa que realmente deram)

Algumas fotografias são de alta qualidade, no entanto, e ainda há estrelas aparentes. Certamente estranho, considerando que você pode tirar fotos de estrelas da Terra em qualidade muito inferior e ainda vê-las.

3 – A Pedra “C”

c-rock-actual-c

Uma das fotos mais famosas dos pousos na Lua mostra uma rocha em primeiro plano, com o que parece ser a letra “C” gravada nela. A letra parece ser quase perfeitamente simétrica, o que significa que é improvável que seja uma ocorrência natural. Tem sido sugerido que a rocha é simplesmente um suporte, com o “C” utilizado como um marcador por uma suposta equipe de filmagem. A designer do set poderia ter virado a rocha de forma errada, expondo acidentalmente a marcação para o câmera.

A NASA deu desculpas conflitantes para a letra, por um lado culpando um colaborador fotográfico por ter adicionado a letra como uma brincadeira, enquanto, por outro dizendo que ela poderia simplesmente ser um fio de cabelo que se enroscou-se em algum lugar no processo de desenvolvimento.

2 – Marcações em camadas

sibrel_crosshair

As câmeras usadas pelos astronautas durante os pousos na Lua tinham uma imensidão de marcações para ajudar com dimensionamento e direção. Estas são impressas por cima de todas as fotografias. Algumas das imagens, no entanto, mostram claramente a cruz atrás de objetos na cena, o que implica que as fotografias podem ter sido editadas ou adulteradas após a captação. A fotografia mostrado acima não é uma ocorrência isolada. Muitos objetos são mostrados à frente da cruz, incluindo a bandeira americana em uma imagem e do rover lunar em outra.

Teóricos da conspiração sugeriram que a NASA imprimiu os objetos feitos pelo homem sobre uma fotografia legítima da lua para fraudar a aterrissagem – embora se eles realmente planejaram fazer isso, então por que eles usavam mira, em primeiro lugar é um mistério.

1 – Fundo duplicado

aulishite-1

As duas fotos da missão Apollo 15 acima têm claramente cenários idênticos, apesar de ser oficialmente classificado pela NASA como tendo sido tiradas a milhas de distância. Uma foto ainda mostra o módulo lunar. Quando todas as fotografias foram tiradas, o módulo já havia desembarcado, então como ele pode estar lá para uma foto e desaparecer em outras? Bem, se você é um teórico hardcore da conspiração, pode parecer viável que a NASA simplesmente usou o mesmo pano de fundo ao filmar cenas diferentes do seu posu na Lua.

A NASA sugeriu que como que a Lua é muito menor do que a Terra, os horizontes podem aparecer significantemente mais perto para o olho humano. Apesar disso, dizer que os dois montes visíveis nas fotografias estão a milhas de distância é indiscutivelmente falso.

A Teoria de Stanley Kubrick

Sun_Earth_Moon

Esta extensão solta da teoria da conspiração popular, afirma que o aclamado diretor de cinema Stanley Kubrick foi abordado pelo governo dos EUA para fraude nos três primeiros pousos na Lua. Há dois aspectos principais desta teoria um tanto implausível: um grupo de crentes afirmam que Kubrick foi abordado depois do lançamento em 2001: Uma Odisseia no Espaço (lançado em 1968, um ano antes do primeiro pouso na Lua), depois de a Nasa passou a apreciar o incrível realismo de cenas de espaço exterior do filme na época, um outro grupo afirma que Kubrick foi preparado pelo governo para filmar a lua de pouso muito antes disso, e que 2001: uma Odisséia no Espaço foi um treino encenado para ele.

Então que evidência pode apoiar tais afirmações? Bem: aparentemente, se você assistir O Iluminado (outra obra de Kubrick), você pode pegar algumas supostas mensagens escondidas por Kubrick para informar sutilmente o mundo de sua parte na conspiração. A mais óbvia é a camisa Apollo 11 da criança, usada em apenas uma cena. Outra suposta informação é a linha escrita na máquina de escrever do personagem de Jack Nicholson: “Todo o trabalho sem diversão faz de Jack um menino maçante” , em que a palavra “todos” pode ser interpretado como A11, ou Apollo 11.

Se você não está convencido ainda, Kubrick fez o quarto do hotel misterioso no filme número 237. Adivinhe quantos quilômetros é daqui até a lua: 238.000 . Então divida por mil e menos um, e você tem uma teoria hermética bem ali.

 

Fonte:LISTVERSE

Elisa Vieira